Notícias

A+
A-

Por unanimidade, o TCM determinou a formulação de representação ao MP contra o prefeito João Henrique e imputou multa máxima de R$ 36.069,00, em razão da vultosa quantia envolvida no contrato para locação de veículos.

1 de novembro de 2012

















Na
sessão desta quinta-feira (01/11), o Tribunal de Contas dos
Municípios considerou, por unanimidade, parcialmente
procedente o termo de ocorrência lavrado contra o prefeito de Salvador, João Henrique de Barradas Carneiro,

em razão da existência de falhas e irregularidades
associadas à licitação processada sob a
modalidade de
Pregão
Presencial nº 010/2010,
tendo
por objeto a locação de
1.470
veículos
,
com e sem motoristas, pelo montante de
R$
143.999.939,49, realizada no exercício de 2010.



O
processo destacou o injustificado e irrazoável incremento de
mais
897
veículos locados
pela
Administração Municipal, correspondendo ao aumento de
156%
em
relação à frota existente em 2010 (
573
veículos
),
passando para
1.470,
com o comprometimento significativo de
R$
215.999.909,64 da receita, no período de 36 meses
,
incluídos os Termos Aditivos, sem que tivessem sido
demonstrados o motivo e a finalidade do ato administrativo para
respaldar a expressiva quantidade a justificar a proporção
entre os meios e os fins.



Levando
em consideração a complicada situação
financeira da Prefeitura de Salvador, o Pleno do Tribunal considerou
de extrema irrazoabilidade a elevação dos gastos,
primeiro por não ter sido indicada a objetiva lotação
de todos os veículos para cada Órgão
individualmente, e por fim pelo comprometimento de
vultosa
quantia em contrato com término previsto para março de
2013, quando um novo gestor já estará na administração
do Executivo.



Diante da grave
irregularidade e do volume de recursos envolvidos, o relator do
processo, conselheiro Paolo Marconi, determinou a formulação
de representação ao Ministério Público
para à adoção das medidas cabíveis e
imputou multa máxima ao gestor no valor de R$ 36.069,00.



A
relatoria comprovou, ainda, a falta de especificação da
dotação orçamentária, vez que à
exceção da Secretaria Municipal de Desenvolvimento
Urbano, Habitação e Meio Ambiente –
SMA,
da Função Gregório de Mattos –
FGM,
da Superintendência de Turismo de Salvador –
SALTUR,
da Companhia Municipal de Abastecimento –
COMASA,
da
Empresa de Transportes Urbanos de Salvador –
TRANSUR
e da Companhia Municipal de Habitação –
COHAB,
os demais 12 Órgãos ou Unidades do Executivo
não
especificaram os recursos orçamentários
que
seriam comprometidos com a pretendida locação de
veículos, com e sem motoristas,
em
descumprimento da Lei Complementar nº 101/00, art. 16 e 17 da
Lei de Responsabilidade Fiscal.



Ressalte-se também
a constatação de divergência de informação
relativa às fontes de recursos entre aquelas relacionadas
pelos Órgãos e as registradas no edital do Pregão
de Presencial nº 010/2010.



O
prefeito, em sua defesa, conseguiu descaracterizar cinco das sete
irregularidades contidas no termo de ocorrência, sendo elas:
processamento
da licitação na modalidade Pregão na forma
presencial em detrimento da eletrônica; desrespeito ao
princípio da celeridade, considerando o grande lapso de tempo
177
dias

para a conclusão do procedimento licitatório em
questão; falta de comprovação da prestação
da garantia contratual pelas empresas vencedoras; falta de
comprovação da existência ou prestação
de declaração formal pelos licitantes vencedores quanto
à disponibilidade de equipamentos e máquinas exigidas
para prestação dos serviços; e inobservância
do preço máximo admitido pela Administração,
fixado em R$ 136.118.244,72.



Ainda cabe recurso da
decisão.



Íntegra do voto
do
relator do termo de ocorrência lavrado na Prefeitura de
Salvador.






Mais Notícias

* Escolha o município e obtenha informações sobre a sua cidade.

Agenda

Confira a agenda do Tribunal para o município dos próximos dias. Clique na data destacada.

Últimas Decisões do Pleno