Notícias

A+
A-

João Henrique Carneiro foi condenado pela contratação irregular de orientadores para telecurso no exercício de 2008.

26 de agosto de 2010













O Tribunal de Contas dos
Municípios, em sessão realizada nesta quinta-feira (26/08), julgou procedente o
termo de ocorrência lavrado contra o prefeito de Salvador, João Henrique de Barradas Carneiro, em face da
contratação irregular de professores para o programa Telecurso 2000, no exercício de 2008.


O
relator, conselheiro substituto Evânio Cardoso, imputou multa no valor de R$
2.500 ao prefeito, que pode recorrer da decisão.


O
termo de ocorrência foi lavrado pela 1ª Inspetoria Regional de Controle Externo,
tendo em vista a contratação irregular pela Secretaria Municipal de Educação –
SMEC, de orientadores de aprendizagem (professores) para o programa Telecurso
2000, devida à ausência de contrato formal e da ausência de registro no SAPPE –
Sistema de Acompanhamento de Pagamento de Pessoal do tribunal, cujas despesas
somaram o total de R$ 216.900, tipificada como contratação de pessoal sem amparo
legal.


De
acordo com parecer emitido pela Procuradoria Geral do Município/SMEC, os orientadores foram contratados pela
FAPES – Fundação de Administração e Pesquisa Econômico-Social, organização
pertencente a UNEB, e seus contratos de trabalho mantidos até dezembro de 2006.


A
partir dessa data em diante, a responsabilidade pelas contratações passou a ser
da Secretaria Municipal de Educação, sob o argumento da necessidade da
continuidade da prestação dos serviços e da falta de professores concursados.

 



Porém,

 

tais contratações foram consideradas ilegais, por contrariar o
estabelecido no artigo 37,da Constituição Federal, que condiciona a
investidura em cargo ou emprego público, à prévia aprovação em concurso de
provas e títulos.


Contudo, ressaltou o procurador que em razão de terem sido atestadas
as frequência dos orientadores ao curso, não poderia a administração publica
aproveitar-se dessa situação para justificar o não pagamento da obrigação
assumida, o que configuraria enriquecimento ilícito e afronta ao princípio
constitucional da moralidade.

 


Portanto, ante as razões expostas, os pagamentos
tiveram natureza indenizatória, todavia, a Procuradoria Geral recomendou a instauração de
processo administrativo para se averiguar as responsabilidades dos servidores
municipais envolvidos no “cometimento irregular de terceiro na função
pública”


O defensor informou, ainda, que, o
projeto Telecurso 2000 é um programa de educação de jovens e adultos realizado
pela Fundação Roberto Marinho em parceria com o município de Salvador, que
consiste na apresentação de aulas e mediação de professores para os alunos do
Ensino Fundamental II (5ª a 8ª série).

 


Em Salvador, desde 2006, o programa
começou a ser extinto da rede municipal, para que gradativamente os alunos fossem
inseridos nas turmas da Faculdade de Jovens e Adultos do próprio sistema
municipal, fato que justifica a contratação temporária, pois tendo o caráter
transitório, não justificava a lotação de um servidor do quadro
efetivo.


Em seu voto, a relatoria destacou
que se está sendo identificado como irregularidade ou ilegalidade não é a
celebração do convênio pela Secretaria da Educação, mas sim a continuidade da
prestação dos serviços até 2008 pelos orientadores de aprendizagem mediante autorização
dos diretores de unidades escolares, diante da necessidade dos alunos e da falta
de professores concursados.


Nessas condições, tendo em vista
que não caracterizou prejuízo para o município a realização de atividade,
coube a aplicação de multa ao gestor pela irregularidade de caráter
formal.


Íntegra do voto do relator do termo
de ocorrência lavrado na Prefeitura de Salvador. (O voto ficará disponível após
conferência).

Mais Notícias

* Escolha o município e obtenha informações sobre a sua cidade.

Agenda

Confira a agenda do Tribunal para o município dos próximos dias. Clique na data destacada.

Últimas Decisões do Pleno