Notícias Canto do título

A+
A-

O ex-prefeito Ramiro José de Queiroz firmou parceria com o INAT - Instituto Nacional de Apoio Técnico pelo expressivo montante de R$ 5.093.895,34, no exercício de 2011.

10 de julho de 2014

O Tribunal de Contas dos Municípios, em função do aumento no número de casos na utilização de OSCIP – Organização da Sociedade Civil de Interesse Público como mero instrumento para contratação de pessoal sem o devido concurso público, promoveu auditoria nos termos de parceria formalizados entre a prefeitura de Valença e o INAT – Instituto Nacional de Apoio Técnico, pelos quais o município transferiu o expressivo montante de R$ 5.093.895,34, no exercício de 2011.

O relator, conselheiro Paolo Marconi, solicitou a realização da auditoria para a comprovação da realização das despesas com as folhas de pagamento dos prestadores de serviço contratados pela OSCIP, vez que a prestação dos recursos repassados apresentados pela prefeitura não se enquadrava nos moldes estabelecidos pelo TCM. A relatoria não pode firmar convencimento, diante do apurado, da existência de dolo ou má-fé na aplicação dos recursos repassados, razão porque não foi aplicado o débito ao gestor, porém determinou a representação ao Ministério Público Estadual, pela escassez de documentos e de informações consistentes sobre a efetividade e eficiência dos gastos realizados.

O relatório de auditoria, não contestado pelo ex-prefeito Ramiro José Campelo de Queiroz, destacou que a atuação do INAT se deu exclusivamente no fornecimento de mão de obra, sem realização de concurso público, sem qualquer processo seletivo, em infringência ao inciso II, do art. 37, da Constituição Federal. Além disso, o número de profissionais previsto no acordo não foi obedecido e novos cargos e profissionais foram contratados sem que tivesse ocorrido termo aditivo para modificar o termo originário.

Na documentação coletada em campo pela equipe técnica não é possível identificar a existência de elementos que comprovem o cumprimento das metas estabelecidas nos termos de parceria, concluindo-se que não foram apresentados quaisquer meios para se aferir os controles que permitissem mensurar o trabalho dos prestadores de serviço do INAT – Instituto Nacional de Apoio Técnico e o consequente desembolso a essa pessoa jurídica. O relatório aponta a ausência de meios documentais para verificação de que os atendimentos previstos foram executados, se o quantitativo lançado no projeto era devido e se foi atingido, se houve frequência dos profissionais, se ocorreu melhoria no atendimento à população, se crianças deixaram de ser utilizadas em trabalhos ou mesmo se ações para esse fim foram empreendidas.

A relatoria concedeu provimento parcial ao pedido de reconsideração do ex-prefeito, mas manteve a rejeição das contas de 2011, com multa de R$ 18 mil e representação ao Ministério Público.

Íntegra do voto do pedido de reconsideração das contas da Prefeitura de Valença.

 

Smart News

Acompanhe a Gestão do Seu Município

Agenda

Confira a agenda do Tribunal para cada município. Clique na data destacada.

Últimas Decisões do Pleno


Mais Notícias

05/07/2022
TCM divulga duas Súmulas para orientar gestores municipais
O Tribunal de Contas dos Municípios da Bahia aprovou duas novas Súmulas com o objetivo de...[leia maisTCM divulga duas Súmulas para orientar gestores...]
05/07/2022
Ex-presidente da Câmara de Marcionílio Souza sofre representação ao MPE
Os conselheiros da 1ª Câmara do Tribunal de Contas dos Municípios da Bahia consideraram...[leia maisEx-presidente da Câmara de Marcionílio Souza sofre representação ao...]
05/07/2022
Prefeito de Tapiramutá é multado pela prática de nepotismo
Na sessão desta quarta-feira (06/07), os conselheiros da 2ª Câmara do Tribunal de Contas dos...[leia maisPrefeito de Tapiramutá é multado pela prática de...]
03/07/2022
TCM promove capacitação sobre nova Lei de Licitações e Contratos
O Tribunal de Contas dos Municípios da Bahia, através da sua Escola de Contas, vai promover, a...[leia maisTCM promove capacitação sobre nova Lei de Licitações e...]