Notícias

A+
A-

Roberto de Oliveira Maia foi encaminhado ao MP pelo descumprimento do art. 42 da LRF, sendo multado em R$ 3.000,00 e o débito ao erário no valor de R$ 47.938,90.

11 de dezembro de 2013

 

O Tribunal de Contas dos Municípios, na sessão desta quarta-feira (11/12), rejeitou as contas da Prefeitura de Bom Jesus da Lapa, sob a administração de Roberto de Oliveira Maia, relativas ao exercício de 2012, exclusivamente, pelo descumprimento do previsto no artigo 42 da Lei Complementar 101/00 – Lei de Responsabilidade Fiscal, por não haver disponibilidade de caixa suficiente para quitar os Restos a Pagar do exercício em R$ 3.304.163,43 e das Despesas de Exercícios Anteriores – DEA em R$ 389.934,84.

O relator do processo, Conselheiro Paolo Marconi, solicitou a formulação de representação junto ao Ministério Público contra o gestor, imputou multa de R$ 3.000,00 e determinou a devolução aos cofres municipais da quantia total de R$ 47.938,90, sendo R$ 46.750,90, por despesas com publicidade sem comprovação da efetiva publicação e seu conteúdo, e R$ 1.188,00, referente ao pagamento de juros e multas das obrigações essenciais.

Bom Jesus da Lapa, município situado na região oeste baiano, com destaque para agricultura, comércio e turismo religioso, obteve uma arrecadação em 2012 na ordem de R$ 93.748.179,31, com despesas realizadas do montante de R$ 93.721.239,80, resultando em um superávit de R$ 26.939,51.

A despesa de pessoal do Município alcançou R$ 54.150.084,23, correspondendo a 57,76% da Receita Corrente Líquida de R$ 93.748.179,31, constatando-se assim, descumprimento ao disposto no art. 20, inciso III, alínea '‘b’', da Lei Complementar nº 101/00 – LRF.

Em Educação, a administração investiu R$ 32.578.609,98 na manutenção e desenvolvimento do ensino, equivalente a 25,50%, em atendimento ao art. 212 da Constituição Federal, que estipula o mínimo de 25%.

De igual modo ocorreu com os recursos do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Atenção Básica – FUNDEB, tendo sido aplicados R$ 17.896.598,79 no pagamento da remuneração do profissionais do magistério, que correspondem a 61,87% dos recursos, quando o mínimo exigido é de 60%.

Das ações e serviços públicos em saúde, houve a regular aplicação do importe de R$ 7.383.078,94, correspondendo a 19,08%, em cumprimento ao disposto no art. 77 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, que determina ao menos 15%.

Além do descumprimento do art. 42 da LRF, o relatório apontou as seguintes falhas:

  • Descumprimento do limite da despesa com pessoal;

  • Divergências detectadas nos valores registrados nos balancetes mensais;

  • Tímida cobrança da dívida ativa;

  • Omissão na cobrança de multas e ressarcimentos impostos a agentes políticos;

  • Inventário Patrimonial em decacordo com a Resolução TCM 1.060/05;

  • Omissão da apresentação de documentos comprobatórios da Dívida Fundada Interna;

  • Não apresentação dos processos de cancelamentos de dívidas ativas e passivas e um Controle Interno deficiente.

Cabe recurso da decisão.

Íntegra do voto do relator das contas da Prefeitura de Bom Jesus da Lapa.

 

 

 

 

Smart News

Acompanhe a Gestão do Seu Município

Agenda

Confira a agenda do Tribunal para cada município. Clique na data destacada.

Últimas Decisões do Pleno


Mais Notícias

06/12/2021
Contas de 2020 da Prefeitura de Canudos são rejeitadas
Os conselheiros do Tribunal de Contas dos Municípios da Bahia emitiram parecer, na sessão desta...[leia mais]
06/12/2021
Quatro prefeituras têm pareceres pela aprovação de contas de 2020
Os conselheiros do Tribunal de Contas dos Municípios da Bahia, em sessão nesta terça-feira...[leia mais]
05/12/2021
TCM promove IV Encontro Técnico de Controle Externo
Auditores estaduais e demais profissionais que compõem o corpo técnico do Tribunal de Contas dos...[leia mais]
05/12/2021
Auditora do TCM participa de live sobre o “novo Fundeb”
A auditora de controle externo do Tribunal de Contas dos Municípios da Bahia, Karina Menezes...[leia mais]