Notícias

A+
A-

José Andrade de Almeida não aplicou o mínimo exigido em saúde e descumpriu o art. 42 da Lei de Responsabilidade Fiscal, sendo multado em R$ 4 mil e devendo ressarcir mais R$ 1,7 milhão aos cofres municipais.

3 de outubro de 2013

 

O Tribunal de Contas dos Municípios, nesta quinta-feira (03/10), votou pela rejeição das contas da Prefeitura de Nova Itarana, na gestão de José Andrade Brandão de Almeida, relativas ao exercício de 2012.

O Conselheiro José Alfredo, relator do parecer, em razão das graves irregularidades cometidas solicitou a formulação de representação ao Ministério Público contra o gestor e imputou multa no valor de R$ 4.000,00.

A relatoria determinou ainda o ressarcimento aos cofres municipais, com recursos pessoais, do expressivo montante de R$ 1.941.959,09, sendo: R$ 1.750.585,29 em face da ausência de comprovação da efetivação de pagamento das folhas de servidores, porque desacompanhadas do aviso de débito bancário correspondente nos meses de janeiro, maio, junho, setembro, outubro e novembro; R$ 143.129,06 pela saída de numerário da conta bancária do FUNDEB sem suporte em documento de despesa, nos meses de Setembro, Outubro e Novembro; R$ 37.786,05 referente a ausência de comprovação de despesa, nos meses de Fevereiro, Março, Julho e Novembro; e R$ 10.458,69 relativos a multas e juros por atraso no cumprimento de obrigações e taxas e encargos por devolução de cheques por insuficiente provisão de fundo.

Ao final do exercício, o Executivo apresentou uma indisponibilidade financeira na ordem de R$ 1.762.703,66, em inobservância ao disposto no artigo 42 da Lei de Responsabilidade Fiscal, o que comprometeu, irremediavelmente, o mérito das contas e enseja a formulação de representação ao douto Ministério Público, à vista do disposto na Lei Federal nº 10.028/00.

A Prefeitura descumpriu a norma constitucional, na medida em que aplicou apenas o valor de R$ 1.068.320,00, correspondente ao percentual de 13,29% dos recursos pertinentes, nas ações e serviços referenciados, quando o mínimo exigido é de 15%.

O recurso repassado ao Legislativo, a título de duodécimos, no valor de R$ 564.305,48, foi superior ao limite máximo definido na Carta Federal de R$ 551.535,04, configurando o não cumprimento da limitação imposta e repercutindo na decisório final.

O relatório técnico também apontou o cometimento das seguintes falhas: atraso no pagamento do pessoal do magistério em exercício no Ensino Fundamental; não apresentação de Notas Fiscais emitidas por meio eletrônico, gastos excessivos com veículos (locação e manutenção); e realização de despesas relativas a outra esfera de governo com recursos municipais, sem suporte em instrumento convenial.

Ainda cabe recurso da decisão.

 

Íntegra do voto do relator das contas da Prefeitura de Nova Itarana.

Smart News

Acompanhe a Gestão do Seu Município

Agenda

Confira a agenda do Tribunal para cada município. Clique na data destacada.

Últimas Decisões do Pleno


Mais Notícias

05/12/2021
TCM promove IV Encontro Técnico de Controle Externo
Auditores estaduais e demais profissionais que compõem o corpo técnico do Tribunal de Contas dos...[leia mais]
05/12/2021
Auditora do TCM participa de live sobre o “novo Fundeb”
A auditora de controle externo do Tribunal de Contas dos Municípios da Bahia, Karina Menezes...[leia mais]
05/12/2021
Diretoria do TCM divulga estudo sobre “critérios de julgamento” nas licitações
A Diretoria de Assistência aos Municípios – DAM, do Tribunal de Contas dos Municípios da...[leia mais]
02/12/2021
TCM promove sorteio prévio para processos referentes a 2022
O Tribunal de Contas dos Municípios da Bahia realizou, na sessão dessa quinta-feira (02/12), o...[leia mais]