Notícias

A+
A-

Contas de prefeitura e câmara de Amélia Rodrigues são rejeitadas

30 de novembro de 2017

Nesta quinta-feira (30/11), o Tribunal de Contas dos Municípios rejeitou as contas da Prefeitura de Amélia Rodrigues, de responsabilidade de Antônio Carlos Paim Cardoso, relativas ao exercício de 2016, em razão do descumprimento do artigo 42 da Lei de Responsabilidade Fiscal e pela extrapolação do limite para gastos com pessoal. O conselheiro relator, Paolo Marconi, determinou a formulação de representação ao Ministério Público Estadual contra o gestor, para que seja apurada a prática de crime contra as finanças públicas, diante da inobservância da LRF.

Também foi imputada multa de R$16 mil pelas irregularidades apuradas durante a análise das contas e de R$57.600,00, que corresponde a 30% dos seus subsídios anuais, por não ter reconduzido as despesas com pessoal ao índice de 54%. O gestor ainda deverá promover o ressarcimento aos cofres municipais da quantia de R$106 mil, com recursos pessoais, em virtude da não apresentação de dois processos de pagamento.

Em relação ao artigo 42, os recursos em caixa, R$4.523.626,50, não foram suficientes para pagamento das despesas com restos a pagar de exercícios anteriores, que somavam no total de R$10.811.144,73, o que gerou um saldo negativo no montante de R$6.287.518,23. A irregularidade configura que o gestor assumiu obrigações de despesas sem correspondente disponibilidade financeira e terminou por comprometer o equilíbrio das contas públicas.

Já as despesas com pessoal corresponderam a 64,81% da receita corrente líquida do município, índice que extrapola o limite máximo previsto na LRF, que é 54% da RCL. A irregularidade também comprometeu o mérito das contas. Além disso, a relatoria identificou o não pagamento de duas multas imputadas ao gestor em processos anteriores, no total de R$25.040,00.

Câmara – As contas de 2016 da Câmara de Amélia Rodrigues, na gestão de Gilsete dos Santos de Souza, também foram rejeitadas pelo TCM. A gestora foi multada em R$5 mil por ter violado o princípio da razoabilidade com a contratação de assessorias e consultorias que implicaram em gastos que somaram R$287.920,00, equivalente a 15,03% dos duodécimos recebidos no exercício.

A relatoria ainda destacou irregularidades como a não apresentação à Inspetoria Regional de quatro processos de dispensas e/ou inexigibilidades para análise mensal, no valor total de R$126.654,00, e de três contratos, no total de R$90.654,00.

Cabe recurso das decisões.

Smart News

Acompanhe a Gestão do Seu Município

Agenda

Confira a agenda do Tribunal para cada município. Clique na data destacada.

Últimas Decisões do Pleno


Mais Notícias

25/11/2021
Nordeste apresenta índices preocupantes sobre evasão escolar
Estudo sobre a Educação durante a pandemia, evidenciou as desigualdades regionais que...[leia mais]
24/11/2021
Prefeita de Sento Sé sofre representação ao MPE
Na sessão desta quinta-feira (25/11), os conselheiros do Tribunal de Contas dos Municípios da...[leia mais]
23/11/2021
Webinário analisa estudo sobre “Permanência Escolar na Pandemia”
O Comitê Técnico da Educação do Instituto Rui Barbosa (CTE-IRB), o Interdisciplinaridade e...[leia mais]
23/11/2021
Câmara de Paulo Afonso e de outros 19 municípios têm contas aprovadas
Os conselheiros e auditores da 1ª Câmara do Tribunal de Contas dos Municípios da Bahia...[leia mais]