Notícias

A+
A-

Os gestores, Cícero Almeida (01/10 a 16/10) e Yhonara Freire (17/10 a 31/12), devido a várias irregularidades, tiveram as contas rejeitadas com multas de R$ 15 mil para o primeiro, R$ 3 mil para o segundo.

6 de dezembro de 2012

















O
Pleno do Tribunal de Contas dos Municípios, na sessão
desta quinta-feira (06/12), decidiu pela
rejeição
das
contas da Prefeitura de Ourolândia,
exercício
financeiro de 2011, da responsabilidade de
Cícero
Gomes de Almeida
(01/01
a 16/10) e
Yhonara
Rocha de Almeida Freire
(17/10/11
a 31/12/11).



O relator do parecer,
conselheiro Paolo Marconi, imputou a Cícero Almeida multa no
valor de R$ 15 mil e a Yhonara Freire, multa de R$ 3 mil e
ressarcimento de R$ 3 mil, referente a despesa com publicidade
caracterizada como autopromoção, nos termos
regimentais.



O Município
apresentou uma receita arrecadada de R$ 25.374.404,44 e uma despesa
executada de R$ 23.262.381,09, resultando num superávit de R$
2.112.023,35.



Das obrigações
constitucionais foram cumpridos os índices de educação,
saúde e da aplicação do recursos do FUNDEB na
remuneração dos profissionais do magistério, com
flagrante violação sobre o percentual com despesa de
pessoal.



No voto, a relatoria
especificou as principais falhas que cada um dos gestores contribuiu
para a reprovação das contas de Ourolândia, a
saber:



Cícero
Gomes de Almeida


abertura
de créditos adicionais suplementares por excesso de
arrecadação sem recursos disponíveis;

não
apresentação à 23ª Inspetoria Regional de
Controle Externo de três processos licitatórios, num
total de
R$
1.162.000,00
;
despesas
de R$ 33.975,01
realizadas
indevidamente com recursos do FUNDEB, em desvio de finalidade;

repasses
a menor do que o legalmente exigido das obrigações
patronais à Ourolândia Previdência, entre os meses
de janeiro a julho, no total de
R$
413.212,68
(fls.
640/641).



Yhonara
Rocha de Almeida Freire


descumprimento
do limite de 54% definido para despesas com pessoal, aplicando ao
final do exercício
R$
12.497.811,48,
correspondentes
a
60,50%
da
receita corrente líquida;

contabilização
de créditos adicionais suplementares sem o respectivo decreto
de abertura;
não
apresentação de documentos de despesas, no total de
187.377,20
;
despesa com publicidade caracterizada como autopromoção
no valor de
R$
3 mil;
recolhimentos
realizados e não repassados ao INSS e a Ourolândia
Previdência de
R$
365.966,58
e
R$
414.196,03
,
porquanto deixar de repassar à Previdência Social, no
prazo legal, as contribuições recolhidas dos
contribuintes, caracteriza ilícito penal tipificado como
“apropriação
indébita previdenciária”.



Os gestores ainda podem
recorrer da decisão.



Íntegra
do voto
do
relator das contas da Prefeitura de Ourolândia.



Smart News

Acompanhe a Gestão do Seu Município

Agenda

Confira a agenda do Tribunal para cada município. Clique na data destacada.

Últimas Decisões do Pleno


Mais Notícias

17/05/2022
Prefeito de São José da Vitória deve devolver recursos aos cofres municipais
Na sessão desta quarta-feira (18/05), os conselheiros da 2ª Câmara do Tribunal de Contas dos...[leia mais]
17/05/2022
Presidente do TCM participa de reunião sobre a LDO
O presidente do Tribunal de Contas dos Municípios da Bahia, conselheiro Plínio Carneiro Filho,...[leia mais]
16/05/2022
Sete prefeituras têm contas aprovadas
Na sessão realizada nesta terça-feira (17/05), os conselheiros do Tribunal de Contas dos...[leia mais]
16/05/2022
Contas de quatro prefeituras são rejeitadas
Os conselheiros do Tribunal de Contas dos Municípios da Bahia emitiram, na sessão desta...[leia mais]