Notícias

A+
A-

TCM encaminhou representação ao Ministério Público e multou em R$ 20 mil ex-gestora, que em dois meses autorizou contratos no valor de R$ 500 mil.

26 de maio de 2009














O
Tribunal de Contas dos Municípios, nesta terça-feira
(26/05), julgou procedente a denúncia contra a ex-prefeita de
Ribeira do Amparo Marivânia dos Santos Silva, acusada de
formular decreto de situação de emergência, sem
nenhum fato concreto que justificasse, para realizar contratos com
dispensa de licitação. O relator, conselheiro Otto
Alencar, determinou formulação de representação
ao Ministério Público e multou a ex-gestora em R$ 20
mil.


As
despesas irregulares foram realizadas nos meses de junho e julho de
2007, ocasião em que Marivânia administrou o município,
inclusive as dispensas de licitação e processos de
pagamento que ultrapassaram a quantia de R$ 500 mil.


A
gestora ficou no cargo por aproximadamente dois meses, em decorrência
do afastamento, pela Justiça Eleitoral, do então
prefeito eleito, Marcelo Brito, devido à prática de
crimes de desvio de recursos públicos em favor de aliados
políticos, o que foi descoberto após quebra de sigilo
bancário das contas da prefeitura e dos envolvidos na fraude
criminosa.


Em
sua defesa, a ex-prefeita alegou que “o caos na cidade era fato
público e notório, visto que montanhas de lixo se
acumulavam nas ruas, os servidores municipais estavam sem receber
salários havia vários meses, o prédio da
prefeitura se encontrava fechado, não havia transporte nem
merenda escolar para os alunos da rede pública de ensino,
cujas aulas foram paralisadas, todos os computadores da prefeitura
estavam sem suas memórias, nenhum documento contábil,
financeiro, jurídico e de pessoal foi encontrado, a maioria da
frota oficial estava danificada, o que obrigou a administração
a editar o decreto municipal GP nº 006, de o6 de junho de 2007,
além de registrar toda a situação por meio de
fotografias e por ação judicial proposta pelo
município.”


A
relatoria solicitou a análise da assessoria jurídica do
TCM, que advertiu: “O teor do decreto nº006/2007 revela,
em tese, que a declaração da situação
emergencial foi lastreada em situação irregular,
causada pela gestão anterior, consequência, portanto, da
ação humana, qual seja, a má administração,
a negligência com a coisa pública. Não se
verifica, pois, a presença de situação
imprevista ou imprevisível a justificar a decretação
da situação de emergência.”


Íntegra
do voto
do relator sobrea denúncia contra ex-prefeita de Ribeira do Amparo.







Smart News

Acompanhe a Gestão do Seu Município

Agenda

Confira a agenda do Tribunal para cada município. Clique na data destacada.

Últimas Decisões do Pleno


Mais Notícias

30/11/2021
Aprovadas contas de mais 21 câmaras; as de Iramaia são rejeitadas
Na sessão desta quarta-feira (01/12), realizada por meio eletrônico, os conselheiros da 1ª...[leia mais]
30/11/2021
Novos auditores tomam posse no TCM
Quatro novos auditores estaduais de controle externo tomaram posse no Tribunal de Contas dos...[leia mais]
30/11/2021
Conselheiros da 2ª Câmara aprovam contas de mais 18 câmaras
Os conselheiros da 2ª Câmara do Tribunal de Contas dos Municípios da Bahia aprovaram as contas...[leia mais]
29/11/2021
Ex-prefeito de Mairi sofre representação ao MPE
Na sessão desta terça-feira (30/11), realizada por meio eletrônico, os conselheiros do...[leia mais]