Notícias

A+
A-

João Henrique utilizou irregularmente o convênio celebrado com a Fundação Escola de Administração da Universidade Federal da Bahia – FEA para a contratação de vigias e porteiros para as escolas municipais e órgãos ligados a SECULT.

13 de outubro de 2011


















O
Tribunal de Contas dos Municípios, na sessão desta
quinta-feira (13/10), julgou procedente a denúncia formulada
pelo
Ministério Público do Trabalho – Procuradoria
Regional do Trabalho da 5ª Região contra o prefeito de Salvador, João Henrique de Barradas Carneiro, em razão
da admissão irregular de pessoal no exercício de 2010 e
2011.



A
relatoria solicitou a formulação de representação
ao Ministério Público, imputou multa máxima de
R$
33.823,00,

ao gestor e determinou a suspensão das contratações
irregulares denunciadas. Ainda cabe recurso da decisão.



A
denúncia foi oferecida à Procuradoria Regional pelo
SINDIVIGILANTES – Sindicato dos Empregados em Empresa de
Segurança e Vigilância do Estado da Bahia contra o
Município de Salvador, segundo a qual a Administração
Municipal
“após
rescindir os contratos com algumas empresas de segurança, que
culminou na dispensa de três mil vigilantes, teria recontratado
parte desses trabalhadores sob a nomenclatura de vigias e porteiros,
em desvio de função
”,
mediante convênio celebrado entre a Prefeitura e FEA –
Fundação Escola de Administração da
Universidade Federal da Bahia, em flagrante violação à
regra do concurso público, inserta no art. 37, II, da
Constituição Federativa.



De
acordo com o processo, o Município de Salvador, através
da Secretaria Municipal da Educação, Cultura, Esporte e
Lazer – SECULT, celebrou o Convênio nº 093/2009 com
a Fundação Escola de Administração da
UFBA – FEA, datado de 01 de dezembro de 2009, subscrito pelo
então Secretário Municipal da Educação,
Cultura, Esporte e Lazer, Carlos Ribeiro Soares e o Superintendente
da FEA, Luiz Marques de Andrade Filho, no valor inicial de R$
21.711.824,00, depois acrescido, por termo aditivo, em R$
36.024.652,00, perfazendo o total de
R$
57.736.476,00.



O
objeto do convênio é a cooperação técnica
e financeira
para
o desenvolvimento, planejamento, execução e avaliação
de projetos técnicos nas áreas de Educação,
Cultura, Esporte e Lazer, visando a efetivação de
estudos, planos, programas e ações voltadas para a
melhoria e elevação da qualidade de ensino das creches
e escolas da Rede Municipal de Ensino de Salvador, Educação
Infantil e Fundamental, a partir do Planejamento Estratégico
desta Secretaria, com foco na Educação oferecida pela
Rede Municipal de Ensino e na Realização de Jornadas
Pedagógicas Qualificação de Profissionais de
Educação
.



Analisando-se o
detalhamento das atividades, tanto na cláusula de compromisso
da conveniada, como no Plano de Trabalho, verificou-se que tais
atividades referem-se a elaboração de material
didático-pedagógico, confecção de
material áudio visual, ciclo de palestras, avaliação
de rotinas administrativas, locação de espaços e
outras assemelhadas, relacionadas ao objeto do convênio, mas
delas não consta a prestação de serviços
de vigilância e de portaria, que, aliás, nem poderiam,
porque estranhas ao seu objetivo.



Em
esclarecimento no procedimento preparatório, instaurado pela
Procuradoria Regional do Trabalho, a própria Prefeitura
admitiu a contratação de vigias e porteiros, com a
utilização do convênio, à justificativa de
que
“a
grande maioria das escolas municipais encontram-se em local de alto
risco social, e atendendo ao apelo de diretores e funcionários
e professores das escolas, de forma emergencial, que se deu por
intermédio de convênio firmado com a FEA Fundação
da Escola de Administração da UFBA; que a referida
contratação permanece até os dias de hoje
”.



No
mesmo procedimento preparatório, disse a FEA que o convênio
inicialmente,
teve como objeto a disponibilização de Técnicos
de nível superior, médio e Analistas Técnicos
que desempenhavam atividades administrativas junto a SECULT: que os
profissionais, embora indicados pela SECULT, tinham suas Carteiras de
Trabalho Previdência Social assinadas pela FEA: que este
projeto ainda vige,”
e
que “
o
convênio atual tem como objeto apenas a disponibilização
de vigias e porteiros para as escolas municipais e órgãos
ligados a SECULT“
e,
finalmente, que “
todos
os profissionais contratados e que fazem parte do convênio
foram indicados pela SECULT”.



Desta
forma, tem-se que, de maneira induvidosa, o convênio com o
objetivo de “
planejamento,
execução de projetos técnicos nas áreas
de Educação, Cultura, Esporte e Lazer”
,
teve o nítido proposito de burlar à regra do concurso
público para a admissão de pessoal no serviço
público.



Ademais,
a indicação de pessoal à contratação,
no âmbito do convênio, pela própria Prefeitura,
conforme admitido, fere os princípios da impessoalidade e da
moralidade administrativa, abrigados no
caput
do
art. 37, da Constituição Federal.



Íntegra do voto do
relator da denúncia formulada na Prefeitura de Salvador. (O
voto ficará disponível após conferência).










Smart News

Acompanhe a Gestão do Seu Município

Agenda

Confira a agenda do Tribunal para cada município. Clique na data destacada.

Últimas Decisões do Pleno


Mais Notícias

19/01/2022
TCM retoma contagem dos prazos processuais nesta sexta (21)
O Tribunal de Contas dos Municípios da Bahia restabelece, nesta sexta-feira (21/01), a fluência...[leia mais]
13/01/2022
Diretoria do TCM divulga novo estudo sobre a lei de licitações
A Diretoria de Assistência aos Municípios – DAM, do Tribunal de Contas dos Municípios da...[leia mais]
10/01/2022
TCM passa a exigir comprovante de vacinação para acesso às suas dependências
O Tribunal de Contas dos Municípios da Bahia passará a exigir, a partir do dia 17 de janeiro, a...[leia mais]
06/01/2022
Suspensão do prazo para remessa das contas mensais se encerra hoje
Se encerra nesta sexta-feira (07/01) a suspensão do prazo em função do recesso provocado pelas...[leia mais]