Notícias

A+
A-

George Roberto Nascimento cometeu vários ilícitos, inclusive extrapolando a despesa com pessoal, gastando acima do limite de 54%, sendo encaminhado ao Ministério Público, além de multa de R$ 1.500,00.

4 de outubro de 2013

 

Na quinta-feira (03/10), o Tribunal de Contas dos Municípios votou pela rejeição das contas da Prefeitura de Paripiranga, relativas ao exercício de 2012, da responsabilidade de George Roberto Ribeiro Nascimento,

O relator do processo, Conselheiro Raimundo Moreira, imputou multa de R$ 1.500,00, em razão das irregularidades consignadas nos relatórios da 22ª Inspetoria Regional e no Pronunciamento Técnico, não sanadas pelo gestor, sobretudo as relacionadas à inexistência de disponibilidade de caixa suficiente para fazer face aos restos a pagar do exercício e às demais obrigações de curto prazo. Ainda foi determinada a formulação de representação ao Ministério Público contra o gestor.

Além da grave falha da extrapolação da despesa total com pessoal, uma vez que o máximo é de 54%, e foram gastos 55,79%, também foram cometidos vários outros ilícitos de realce, como reincidência quanto à ausência de cobrança da dívida ativa tributária; não arrecadação da totalidade dos tributos da competência constitucional do município previstos no orçamento; existência de falhas e impropriedades nos registros contábeis; diversas ocorrências de inconsistência na fonte de recursos utilizada no pagamento contida na dotação orçamentária conforme inserida no SIGA.

Houve, também, burla ao processo licitatório mediante o fracionamento de despesa; ausência nos autos a relação da dívida ativa tributária; ausência nos autos de certidão da dívida fundada; ausência nos autos do inventário dos bens patrimoniais; ausência nos autos da relação da dívida ativa tributária; processos licitatórios não encaminhados ao Tribunal; diversas ocorrências de ausência de publicação na imprensa oficial de processos de inexigibilidade; reincidência quanto à omissão na cobrança de cominações impostas pelo Tribunal; reincidência quanto à apresentação de relatório do Controle Interno deficiente; diversas ocorrências de ausência de inserção de dados licitatórios no SIGA.

A receita arrecadada de Paripiranga, em 2012, foi na ordem de R$ 35.072.992,94 e as despesas realizadas no montante de R$ 36.004.624,67, resultando em um déficit de R$ 931.631,73.

Quanto às demais obrigações constitucionais, foram aplicados nos serviços de Saúde, R$ 3.335.343,51 (17,5%, acima portanto do limite de 15%); na Educação, R$ 15.393.301,60 (27,2%, desta forma acima dos exigíveis 25%) e na remuneração dos profissionais do magistério, R$ 12.741.766,41, equivalentes a 72,5%, bem acima do determinado por lei, com os recursos do FUNDEB, que é de um mínimo de 60%.

Cabe recurso da decisão.

Íntegra do voto do relator das contas da Prefeitura de Paripiranga.

Smart News

Acompanhe a Gestão do Seu Município

Agenda

Confira a agenda do Tribunal para cada município. Clique na data destacada.

Últimas Decisões do Pleno


Mais Notícias

05/12/2021
TCM promove IV Encontro Técnico de Controle Externo
Auditores estaduais e demais profissionais que compõem o corpo técnico do Tribunal de Contas dos...[leia mais]
05/12/2021
Auditora do TCM participa de live sobre o “novo Fundeb”
A auditora de controle externo do Tribunal de Contas dos Municípios da Bahia, Karina Menezes...[leia mais]
05/12/2021
Diretoria do TCM divulga estudo sobre “critérios de julgamento” nas licitações
A Diretoria de Assistência aos Municípios – DAM, do Tribunal de Contas dos Municípios da...[leia mais]
02/12/2021
TCM promove sorteio prévio para processos referentes a 2022
O Tribunal de Contas dos Municípios da Bahia realizou, na sessão dessa quinta-feira (02/12), o...[leia mais]