Notícias

A+
A-

As contas de Davi Machado e Elson Santos foram consideradas irregulares em função do descumprimento do art. 29-A da Constituição Federal.

9 de novembro de 2011

















O
Pleno do Tribunal de Contas dos Municípios, nesta quarta-feira
(09/11), rejeitou as contas da Prefeitura de Mansidão, da
responsabilidades de
Davi
Frank Gomes Machado, respectivamente, relativas ao exercício
de 2010.



O
relator, conselheiro Raimundo Moreira, determinou ao chefe do
executivo o ressarcimento, com recursos pessoais, aos cofres
municipais do montante de R$ 7.800, devido a ausência de
notas
fiscais comprovando o gasto, além de aplicar
uma
multa de R$ 5 mil.



Executivo –
A arrecadação municipal alcançou o importe de
R$
16.290.839,45 e teve despesas realizadas no valor de R$
16.397.154,97, configurando um déficit orçamentário
de R$ 106.315,52.



O Executivo transferiu à
Câmara, a título de duodécimos, a quantia de R$
587.421,04, extrapolando o limite em R$ 11.199,95, onde o máximo
seria o valor de R$ 576.221,09, em desacordo com o art. 29-A da
Constituição Federal, comprometendo o mérito das
contas.



Com relação
a restos a pagar, ficou evidenciado que o caixa municipal é
insuficiente para arcar com as despesas, possuindo um saldo de R$
456.090,12, mas com uma despesa de R$ 1.146.167,33, restou
configurada a existência do desequilíbrio fiscal,
podendo comprometer o mérito das contas no último ano
do mandato.



O
investimento na manutenção e desenvolvimento do ensino
foi de
R$
7.263.052,53, atingindo um percentual de 25,5%, atendendo portanto o
art. 212 da Constituição Federal.



Nas
ações e serviços públicos em saúde
foi aplicado o total de
R$
1.641.907,94, equivalente a
18,34%,
tendo como mínimo o investimento de 15%.



As
despesas com pessoal atingiu o importe de R$
8.247.204,15,
correspondente
a 51,58% da receita corrente liquida, de R$ 15.989.560,53, em
respeito ao limite determinado pelo art. 20 da Lei Complementar nº
101/00.



O relatório
técnico constatou ainda a contratação de pessoal
sem concurso público, diversas inconsistências nos
registros contábeis e a
usência
de informações no SIGA referente a obras e serviços
de engenharia.



Legislativo –
As contas da
Câmara
de Mansidão, na gestão de
Elson
dos Santos,

também foram rejeitadas, sendo aplicada multa de R$ 800,00.



Foi
recebido a título de transferência o total de R$
587.555,13
,
estando
este valor acima do limite garantido pelo art. 29-A da Constituição
Federal, de R$ 576.221,09
,
tal
fato avaliado na prestação de contas da Prefeitura.
Todavia, as despesas orçamentárias atingiram o montante
de R$ 581.049,86, estando também
acima
do limite estabelecido pela Carta Magna em seu art. 29-A
,
tendo restado um saldo de R$ 6.505,27, que foi utilizado
indevidamente para o pagamento de despesas extraorçamentárias,
tornando as contas irregulares.



A despesa com pessoal
apresentou o valor de R$ 480.438,14, equivalente a 3% da receita
corrente liquida municipal, de R$ 15.989.560,53, de acordo portanto
com a Lei Complementar de nº 101/00.



Os dois gestores podem
recorrer da decisão.



Íntegra do voto
do relator das contas da Prefeitura de Mansidão.



Íntegra do voto
do relator das contas da Câmara de Mansidão.




















































Smart News

Acompanhe a Gestão do Seu Município

Agenda

Confira a agenda do Tribunal para cada município. Clique na data destacada.

Últimas Decisões do Pleno


Mais Notícias

18/05/2022
Conselheiro Raimundo Moreira se aposenta do TCM e é homenageado
O conselheiro Raimundo Moreira participou nesta quinta-feira (19/05) de sua última sessão no...[leia mais]
18/05/2022
Prefeituras de Rio de Contas e Várzea da Roça têm contas aprovadas
Os conselheiros do Tribunal de Contas dos Municípios emitiram parecer prévio recomendando a...[leia mais]
17/05/2022
Prefeito de São José da Vitória deve devolver recursos aos cofres municipais
Na sessão desta quarta-feira (18/05), os conselheiros da 2ª Câmara do Tribunal de Contas dos...[leia mais]
17/05/2022
Presidente do TCM participa de reunião sobre a LDO
O presidente do Tribunal de Contas dos Municípios da Bahia, conselheiro Plínio Carneiro Filho,...[leia mais]